Visita domiciliar a contatos de pacientes com tuberculose e sua associação com os fatores sócio-econômicos e a cobertura pela estratégia da saúde da família no municipio de Rio Grande, RS

Teixeira, Tarso Pereira; Mendoza-Sassi, Raúl Andrés; Cezar, Marta Regina Vaz; Leão, Letícia Leal; Silvana Monteiro, Silvana Monteiro; Leivas, Vânia do Amaral

Abstract:

 
O objetivo do estudo foi avaliar as visitas domiciliares de doentes com tuberculose, do município do Rio Grande, RS. Aplicou - se um questionário para medir a prevalência da visita e suas associações com os fatores socioeconômicos e de cobertura pela Estratégia Saúde da Família. Dos contatos estudados, apenas 15,2% foram visitados (IC95% 8,7-20,2%). Os dois fatores que afetaram a probabilidade de visita foram, a classe econômica e a Estratégia Saúde da Família (ESF).Tomando como referência as classes ABC (mais ricas), a classe econômica D apresentou uma probabilidade de visita seis vezes maior e a classe E de 16 vezes (p=0,001). A probabilidade da população coberta pela Estratégia Saúde da Família (ESF) ser visitada foi 10 vezes maior do que a não coberta (p=0,01). Com base nestes dados, conclui-se que a prevalência de visita aos contatos é muito baixa, devendo haver uma melhora nesse serviço. Porém, ainda sendo baixa, há uma priorização das populações mais pobres e a ESF viabiliza essa situação.
 
The aim of the study was to asses the frequency of visit to tuberculosis disease household contacts in Rio Grande, RS. A questionnaire was applied and then was calculated the prevalence of home visits and its association with social and demographic factors and the cover of health services. The frequency of visit was 15,2% (IC95% 8,7-20,2%) . The two factors that affect As the probability for visits, in relation to the poorest economical class (E), the probability of visit wasthe economic class and the Family Health Estrategy (ESF). Taken as reference the ABC economic classes (more richer), the class D presented six times more visit probability and E class sixteen times more (p= 0,001). The probability of the population covered by ESF has been visited was 10 times more than those not (p=0,01). In conclusion, the prevalence of visits to household contacts is very low, but there is more attention to the vulnerable sick specially between the poorest and who’s covered by the ESF.
 

Show full item record

 

Files in this item

This item appears in the following Collection(s)

:

  • FAMED – Artigos publicados em periódicos